Brasil

Daniel Soranz, ex-secretário municipal de Saúde, sobre troca em esfera estadual: “Foi inevitável”

Epidemiologista destaca instabilidade vivida nos últimos dias na pasta de saúde no Rio de Janeiro (cidade e estado) e Brasil

Por Marcos Coelho

Foto: Divulgação (Érica Ramalho / Alerj)

O fim de semana da saúde do Rio de Janeiro foi dos mais tumultuados em meio à pandemia do coronavírus. Diante do impasse envolvendo leitos, pacientes, vagas e corrupção, Edmar Santos foi exonerado da secretaria estadual e substituído por Fernando Ferry. A Super Rádio Tupi ouviu Daniel Soranz, professor da Escola Nacional de Saúde Pública (Fiocruz), epidemiologista e secretário municipal de Saúde entre os anos de 2013 e 2016.

“O momento é muito delicado para todo o estado do Rio de Janeiro. Além da pandemia do coronavírus, temos alguns escândalos gravíssimos de corrupção dentro da Secretaria de Saúde. Foi inevitável a saída do secretário de estado, até para dar mais transparência na investigação desses processos. Outro problema sério é como justificar a implementação de hospitais de campanha, tendo leitos disponíveis nas redes federal, estadual e municipal, sem funcionar por falta de recursos humanos. O mais lógico, seria abrir esses leitos dos hospitais já existentes, garantindo melhor desempenho clinico e melhor utilização do recurso público. Temos os exemplos do Hospital Estadual Anchieta, no Caju, praticamente fechado e com leitos vagos, e outro é do hospital Ronaldo Gazolla, em Acarí, da Prefeitura, e tem 1.500 leitos fechados por falta de contratação de médicos e enfermeiros”, avaliou o ex-secretário de saúde do município.

Durante algumas horas do domingo, com o Brasil tendo Eduardo Pazuello como ministro da Saúde e Edmar Santos exonerado, e sem a definição de um substituto, só a esfera municipal tinha um nome. E mesmo assim, numa condição complexa. Beatriz Busch pediu demissão há pouco menos de duas semanas, mas voltou atrás na decisão e foi mantida no cargo.

“Todos esperam uma maior integração entre a Prefeitura, que já teve uma secretária (Beatriz Busch) que pediu para sair do governo Crivella e foi mantida no cargo, duas trocas de ministro da Saúde do governo Bolsonaro e agora uma troca de um secretário estadual de Saúde e troca de subsecretários. Isso gera uma instabilidade no sistema como um todo e uma paralisia nos processos administrativos. Nesse momento, que a população precisa do serviço de saúde organizado, as três esferas de governo encontram-se em situação desestruturada no ponto de vista administrativo. O resultado é que mais de 1.600 pessoas estão esperando um leito de enfermaria comum, ou leito de CTI, para serem internadas, e esses leitos não são liberados por falha de administração. Muitas pessoas estão nas salas vermelhas e amarelas em situações precárias e vai aumentar muito o número de letalidades no município do Rio de Janeiro”, lembrou Daniel Soranz, sobre fato ocorrido recentemente na pasta da saúde municipal.

A atual fase é considerada a de transição entre os dois secretários. Ciente disso, Soranz fez questão de analisar o legado positivo deixado por Edmar Santos e também ressaltar as principais características Fernando Ferry.

“São três pontos muito positivos da gestão do Edmar Santos durante a pandemia da Covid-19. Primeiro, a implantação de um teleatendimento remoto para os pacientes que tem sintomas respiratórios e são suspeitos de coronavírus pelo 160, na Secretaria de Estado de Saúde. Facilitou muito o contato do paciente para obter informações sobre a doença. Outro ponto, a integração e entre a Secretaria Estadual de Saúde e o Hospital Universitário Pedro Ernesto para o atendimento à Covid-19. O terceiro ponto foi a transformação dos leitos do Hospital do Cérebro (Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer), utilizando já a capacidade e os profissionais que trabalhavam naquela instituição colocando os leitos no perfil que se precisa atualmente, já que as cirurgias eletivas foram suspensas por causa da pandemia. A gente deseja sucesso ao novo secretário, que também é proveniente de um hospital universitário, isso vai ajudar nas decisões baseadas em evidências científicas. Ele tem proximidade com o prefeito Marcelo Crivella, o que facilita a integração entre as redes estaduais e municipais. E ele vai ter o desafio de cancelar os contratos em suspeita para elaborar novos, com outras instituições, que não sejam essas que estão aí atualmente”, concluiu.

Comentários
recomendadas

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
27 de Maio de 2020 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Radar Tupi
« Programa Anterior
20:00 - Programa Cristiano Santos
21:00 - Tupi na Rede
22:00 - Giro Esportivo
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »