Brasil

Justiça autoriza desbloqueio de celulares de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz

Os homens são suspeitos da morte de Marielle Franco e Anderson. O MP enviou os aparelhos para uma empresa em São Paulo

Por Redação Tupi

O Ministério Público do Rio de Janeiro fez um pedido para a Justiça, que foi aceito, para que um desbloqueio seja feito nos celulares de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz para ajudar na investigação da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes. A GloboNews teve acesso com exclusividade a parte do inquérito e divulgou a informação.

Segundo o MPRJ, o encaminhamento de celulares para a sede da empresa Cellebrite, em São Paulo, foi somente para o desbloqueio de senha de acesso e a extração de dados dos aparelhos de última geração apreendidos no dia 12 de março, mediante um termo de sigilo e confidencialidade. Ainda de acordo com eles, a empresa Cellebrite é a única, com representação no Brasil, a deter tecnologia adequada para realização de tais finalidades. É importante destacar também que o procedimento realizado pela empresa não configura avaliação técnica e nem perícia do conteúdo extraído.

Os promotores do caso enviaram os cinco celulares apreendidos dos suspeitos, presos em março, denunciados pelo atentado, a uma empresa de dados em São Paulo.

“O órgão público incumbido das perícias oficiais – no caso, o Instituto de Criminalística Carlos Éboli – não dispõe de tecnologia adequada para a devida extração dos dados contidos nos aparelhos iPhone (Apple), haja vista que se encontram bloqueados com senhas de acesso”, diz o documento, obtido com exclusividade pela GloboNews.

MPRJ cita uma empresa paulista, com a qual firmou contrato. “Para tentativa de desbloqueio, se faz necessária a utilização de tecnologia de ponta, através de software da empresa Cellebrite”, destaca.

A Polícia Civil informou ao MPRJ que não conseguiu extrair dados dos celulares porque os aparelhos eram bloqueados com senha. Após conseguir acessar o conteúdo, os investigadores pretendem vasculhar conversas em aplicativos de troca de mensagens criptografadas, fotos, áudios e vídeos.

A polícia foi criticava pela demora em conseguir entrar nos celulares de Ronnie e Élcio. Para Fabro Steibel, diretor-executivo do Instituto de Tecnologia e Sociedade, “a polícia tem que ser hacker”.

“O que falta à polícia não é tecnologia, é conhecimento. Pode haver documentos que estão na nuvem, e você pode ter acesso a eles. Pode ter um aplicativo que copia informação para outro. A polícia precisa ter conhecimento para extrair informações que estão nos celulares, mas que hoje não consegue acessar”, detalha.

Na denúncia, o PM reformado Ronnie Lessa é o autor dos 13 disparos que mataram Marielle e Anderson; ele estava no banco de trás do Cobalt que perseguiu o carro da vereadora. Já o ex-PM  Élcio Vieira de Queiroz dirigiu o Cobalt na noite do crime.

Eles estão presos na Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia.

recomendadas
Comentários

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
08 de Dezembro de 2019 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Domingo Show
« Programa Anterior
15:00 - Super Futebol Tupi
08:00 - Show do Heleno Rotay
22:00 - Giro Esportivo
12:00 - Bola em Jogo
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »