Conecte-se conosco

Capital Fluminense

Madrasta é acusada de envenenar enteados na Zona Oeste do Rio; jovem de 22 anos morreu

Jane Cabral, mãe biológica das vítimas, começou a suspeitar do crime depois que exames indicaram a presença de altas taxas de chumbo no sangue do filho mais novo

Publicado

em

Fernanda Cabral, 22 anos
Fernanda Cabral, 22 anos (Foto: Reprodução/

A família de um adolescente de 16 anos acusa a madrasta, identificada como Cíntia Mariano, de ter envenenado o enteado na casa onde moravam em Bangu, na Zona Oeste do Rio.

O suposto crime aconteceu no último domingo (15), quando Bruno Carvalho Cabral passou mal e deu entrada em um hospital particular da região depois de comer o feijão preparado pela madrasta. Na unidade, os exames indicaram a presença de altas taxas de chumbo no sangue do menino, confirmando a intoxicação.

Em posse dos dos exames, a mãe biológica do adolescente, Jane Cabral, começou a suspeitar de que sua outra filha, Fernanda Carvalho Cabral, de 22 anos, que faleceu no último mês de março, também poderia ter sido vítima de envenenamento. A causa da morte da jovem foi apontada como parada cardíaca.

Vivendo o luto da perda, a família entendeu a situação como uma fatalidade.

Dois meses depois, diante dos resultados dos exames de Bruno Cabral, a família suspeita que os dois tenham sido vítimas de envenenamento.

“A minha filha Fernanda, após uma alimentação, passou mal do nada. Uma menina saudável com um mundo pela frente, teve a vida interrompida aos 22 anos. Dois meses depois, ocorre a mesma coisa com o Bruno. Após uma alimentação, passou mal, com os mesmos sintomas da Fernanda”, explicou Jane Cabral, mãe biológica.

“Hoje, não tem lágrimas nos olhos, agora eu tenho sangue nos olhos e eu peço justiça, em nome da Fernanda, em nome do Bruno, para que a gente possa comprovar essa crueldade, essa monstruosidade”, completou.

Jane Cabral, mãe biológica, acusa madrasta de ter envenenado os filhos

Jane Cabral, mãe biológica, acusa madrasta de ter envenenado os filhos (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Após o registro da ocorrência na 33ª DP (Realengo), Cíntia Mariano tentou tirar a própria vida e foi internada no Hospital Municipal Albert Schweitzer na última quarta-feira (18).

Procurada pela reportagem da Super Rádio Tupi, a unidade informou que a paciente deixou o hospital no dia seguinte (19) à revelia.

A motivação do crime ainda está sendo investigada pela Polícia Civil.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.