Conecte-se conosco

Cultura

Zona Portuária abriga novo point cultural no Rio

Centro Cultural Capiberibe 27 recebe, em 21 de maio, exposição de 200 artistas

Publicado

em

Centro Cultural Capiberibe 27 recebe, em 21 de maio, exposição de 200 artistas
Centro Cultural Capiberibe 27 recebe, em 21 de maio, exposição de 200 artistas. (Foto: Reprodução)

O Rio de Janeiro e os amantes da arte ganharam novo espaço cultural na região central da cidade: o Centro Cultural Capiberibe 27 (C27). O espaço de quase 1.500 m2 vai abrir as portas para promover, em 21 de maio, das 10h até 17h, a segunda edição da exposição do coletivo de arte contemporânea “Imaginário Periférico”, em comemoração aos seus 20 anos de existência.

O centro é um sonho compartilhado por empreendedores, de diversas formações profissionais, que compraram mais do que um prédio histórico abandonado, em ruínas: levaram junto a ideia de resgatar a memória daquele local, tão importante para a cultura do país.

A antiga fundição Zani, de onde saíram obras que se espalham pelo Brasil e por diversos países, funcionou neste mesmo endereço, Rua Capiberibe 27, no século passado. Foram feitos ali monumentos como a escultura da cabeça do Zumbi, na Avenida Presidente Vargas, e o “Glória Imortal aos Fundadores de São Paulo”, no Páteo do Colégio, em SP, entre outros.

– A Capiberibe é um lugar histórico, que já recebeu várias locações de clipes e cinema antes mesmo de sua inauguração oficial. Pretendemos promover rodas de samba, chorinho, jazz, fazer oficinas de capacitação dos jovens das comunidades do entorno e criar um museu com peças originais da antiga fundição Zani. Vale a pena vir nessa exposição e conhecer nosso espaço, que está apenas começando – disse o presidente da C27, Ualace Miliorini.

Sobre a exposição

Vão participar do evento cerca de 200 artistas, com ações performáticas, instalações, intervenções urbanas, happenings e exposições de objetos (e de não objetos).  A ideia é transformar o terreno que outrora abrigou a Fundição Zani e que, partindo de uma ideia de coletividade e confraternização, abrirá agora caminhos para a formação de um novo multiverso de imagens: um multiverso imaginário e periférico.

Com isso, será possível articular uma grande variedade de obras, linguagens e poéticas em um mesmo espaço físico. Uma grande homenagem à fundição, que no passado acolheu artistas como Amadeu Zani, Ceschiatti, Sonia Ebling, Bruno Giorgi (autor do famoso “Monumento dos candangos”), Humberto Cozzo e Maria Martins.

Eles levaram o modernismo brasileiro ao exterior com suas formas escultóricas surrealistas que miravam o “impossível”.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.