Brasil

Após ter R$ 3 milhões bloqueados, Cafú nega envolvimento com empresa suspeita de pirâmide financeira

A Justiça de Goiás determinou o bloqueio de R$ 3 milhões e de bens do ex-atleta e de mais duas pessoas por suspeita de envolvimento no esquema.

Por Redação Tupi

Foto: Divulgação

O ex-jogador de futebol Cafú negou neste sábado (25) qualquer envolvimento com uma empresa suspeita de pirâmide financeira por meio da negociação de bitcoins – que são moedas virtuais. A Justiça de Goiás determinou, na última sexta-feira (24) o bloqueio de R$ 3 milhões e de bens do ex-lateral e de mais duas pessoas por suspeita de envolvimento no esquema.

Por meio de nota assinada pela assessoria de Cafú, ele negou as acusações.

“Cafú foi contratado apenas e tão somente para o uso de sua imagem, possuindo contrato próprio e exclusivo para este fim, sendo completamente descabida tal acusação”, mostra a nota.

De acordo com o texto, houve ainda problemas no pagamento pela cessão de imagem e que o contrato foi rescindido em outubro do ano passado. A defesa de Cafú enviou uma “notificação extrajudicial solicitando a rescisão de contrato por inadimplência”, a qual também proibia a companhia de usar a imagem dele.

O pentacampeão da Copa do Mundo é apontado como “embaixador” da empresa, conforme relatos do processo movido pelo Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo de Goiás (Ibedec). De acordo com os autos, os citados no processo se uniram para a realização de um sistema de pirâmide financeira, tendo como argumento a aquisição de bitcoins, “com promessa de ganhos irreais via de cadastramento no site”.

Comentários
recomendadas

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
20 de Outubro de 2020 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Giro Esportivo
« Programa Anterior
Nenhum programa encontrado
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »