Brasil

Homem que confessou ter matado o filho envenenado também matou a própria mãe em 1992

Paulo Roberto Osório confessou o sequestro e o assassinato do filho, Bernardo, de 1 ano e 11 meses. O menino foi envenenado com remédios para dormir e teve o corpo jogado na BR-020

Por Redação Tupi

Bernardo e a mãe, Tatiana, e o “pai” assassino. Foto: Reprodução Facebook/ Montagem

Todos os dias, Bernardo da Silva Marques Osório, de 1 ano e 11 meses, aguardava a chegada do “pai”, o servidor público Paulo Roberto Caldas Osório, de 45 anos, em uma creche no Distrito Federal. Antes de reencontrar a mãe, com quem morava em uma localidade chamada Lago Sul, o menino passava um tempo na casa do “pai”. Na última sexta-feira, como de rotina, o garoto entrou no carro, mas, daquela vez, recebeu um suco de uva. Tomou a bebida e, ao chegar à residência, passou mal e vomitou. O “pai” deu um banho na criança e a vestiu. Em seguida, o filho adormeceu e nunca mais acordou.

Segundo a investigação, quando Paulo Roberto constatou a morte do menino, abandonou o corpo às margens da BR-020 e fugiu para a Bahia. Para a polícia, ele cometeu o assassinato por vingança contra a mãe da criança, a advogada Tatiana da Silva Marques, de 30 anos, e a ex-sogra, Juciane Mascarenhas Nascimento, de 57 anos. De acordo com a polícia local, Paulo Roberto Osório cumpriu pena de 10 anos por matar a mãe, em 1992.
Para o delegado Leandro Ritt, titular da DRS, o servidor público premeditou o crime. “Não foi só pela pensão, tiveram outros fatores. Ele relatou desrespeito e humilhação. Então, o que parece é que as frustrações se acumularam e acabaram nessa tragédia. A principal impressão é de que ele preparou tudo e tinha, sim, a intenção de matar. Ele pensou em um assassinato indolor ao filho, pois, na cabeça dele, nutria uma afeição pelo menino”, analisou.

O investigador destacou que Bernardo morreu no dia do sequestro, quando passou mal na residência do pai. “Na casa, havia uma grande quantidade de vômito da criança; por isso, essa é a teoria mais provável”, disse. Após o assassinato, o objetivo de Paulo Roberto era prosseguir com o plano de vingança. “Ele nutre um ódio muito forte pela mãe do garoto, mas, sobretudo, pela ex-sogra. Acredito que esse sentimento provocou uma ira tão grande que a afeição que ele sentia pela criança foi deixada de lado. Tudo isso para colocar essas pessoas em um profundo sofrimento”, acrescentou Leandro Ritt em entrevista ao Correio Braziliense.

Comentários
recomendadas

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
22 de Setembro de 2020 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Show do Apolinho
« Programa Anterior
19:00 - Radar Tupi
20:00 - Programa Cristiano Santos
21:00 - Tupi na Rede
22:00 - Giro Esportivo
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »