Conecte-se conosco

Economia

Empresa Americana fundada por brasileiros pretende fazer parceria com colônias de pescadores do Rio de Janeiro

Colônias fazem parte do projeto “Águas da Guanabara” da Federação dos Pescadores do Estado do RJ

Publicado

em

(Foto: Divulgação / Feperj)

Devido à busca dos consumidores por produtos cada vez mais sustentáveis, as empresas tem procurado expor a preocupação coma matéria-prima, com a produção, com os resíduos, com a durabilidade e vida útil da peça, com as pessoas que produzirão e com todos os impactos que os pós-uso pode causar. 

Representantes da empresa de calçados Kalp Wear, estiveram no Rio de Janeiro para visitar a colônia de pescadores Z8 – situada em São Gonçalo. A empresa produz sapatos com plástico reciclado e borra de café e tem como missão o reflorestamento de matas devastadas no Brasil.

De acordo com o empresário, Diego Klaus, empresa está usando plástico reciclado e transformando essa matéria prima em calçados para vender no exterior e o objetivo da vista era pra ver de onde vem o plástico, saber como é feto processo de reciclagem.

Foi destacado pelos pesquisadores técnicos do projeto Águas da Guanabara que os materiais como sacolas plásticas, garrafas pet, pedaços de isopor, plásticos, chinelos, embalagens diversas, garrafas de vidro, pedaços de madeira e restos de tecidos e couro lideram o ranking de poluição da Baía de Guanabara. 

“O objetivo dessa possível parceria, é buscar formas de ajudar as famílias de pescadores, pois eles têm que ser beneficiados do produto final, para assim, fechar a cadeia produtiva”, disse Klaus. A empresa produz os tênis que são biodegradáveis e feitos com material 100 % reciclável. Por isso, a ideia de conhecer o trabalho do projeto “Águas da Guanabara’ da Federação dos Pescadores do Estado do Rio de Janeiro (FEPERJ).

“A ideia de procurar a FEPERJ, surgiu junto à sócia criadora do Rio Coffee Nation, Martina Barth d’Avila, já que usamos também na produção dos calçados, borra de café. E lançaremos nosso tênis no evento em outubro. Saímos daqui com uma imagem linda dos pescadores, e com uma oportunidade magnifica para indústrias que queiram vir pra o Rio, usar essa matéria prima retirada por eles dos mangues e encostas. Com esse acordo, mais de 200 famílias de pescadores vão ser beneficiadas”, afirmou o empresário.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.