Conecte-se conosco

Entretenimento

Peça Orixá, Cultura, Evolução – Omolu I A Cura em apresentação única na Tijuca

Publicado

em

Peça Orixá, Cultura, Evolução - Omolu I A Cura em apresentação única na Tijuca
Peça Orixá, Cultura, Evolução - Omolu I A Cura em apresentação única na Tijuca

A única apresentação, da 3ª edição do espetáculo OCEE – Orixá, Cultura, Evolução e Essência | A Cura faz o convite à reflexão sobre o atual momento de vida brasileiro e mesmo, mundial. Em tempos de mudanças e intolerância religiosa, a sociedade contemporânea está doente e encontra na espiritualidade um dos caminhos para o conforto.

O espetáculo produzido pela Sanuto Produções com direção e roteiro de Hudson Batista, foi contemplado no Edital de Chamada Emergencial nº 06/2021: “Povos Tradicionais Presente”.

A apresentação será no Centro Coreográfico do Rio de Janeiro, na Tijuca, dia 14 de agosto (domingo), às 18h30.

O espetáculo é marcado pela dança afro, música e outros elementos teatrais que constroem o enredo da trama. Em cena, o ator Fábio França representa o Andarilho e a atriz Lucia Sanuto, a mãe de santo. Os dançarinos, Canela Monteiro (Omolu), Flavinny Oliveira (Nanã) e Priscila Lúcia (Yemanjá) darão vida aos Orixás que perpassam toda a história trazendo o acalento.


A narrativa transmite através da história do Andarilho, o personagem central da trama, a esperança de que tudo tem o seu tempo para acontecer. Todo o desenrolar do espetáculo perpassa pela caminhada dele que é encenado por Fábio França. O ator usará vestes predominantemente brancas sobre um corpo marcado por cicatrizes. Ele interage e dialoga todo o tempo com os demais personagens e também consigo próprio, em breves monólogos com tom de desabafo.

Na história, Andarilho, é um homem que desacreditou da vida, ao passar por perdas familiares e afetivas, encontrando-se sozinho a peregrinar pelo mundo. Quando criança, por misericórdia, sua cabeça foi entregue à Omolu para livrá-lo de uma grave doença, mas apesar disso, tornou-se um homem sem fé. O espetáculo começa com caminhos e encruzilhadas, que são os locais por onde ele passa, desacreditado, sofrido, a ponto de achar que nem a morte o quer!

Em determinado dia, durante suas andanças, a sua ancestralidade (OMOLU) se personifica em sua frente e o faz entender que muitas vezes o que nos mantém de pé, enquanto sujeitos, são as forças vitais, ancestrais a que desconhecemos.

Quem é Fábio França, o Andarilho?!
Profissional múltiplo, a serviço da cultura. Desde 2001 atua como diretor de Produção da Diverso Cultura e Desenvolvimento. Na Instituição produziu 27 espetáculos teatrais, entre eles: “Oboró – Masculinidades Negras”, ganhador do Prêmio Shell nas categorias de melhor figurino e melhor dramaturgia, também indicado em 3 categorias do prêmio APTR e ganhador do Prêmio Ubuntu em sete categorias.

No audiovisual foi produtor executivo do clip “Ombrinho”, dirigido por Lázaro Ramos, através da Universal Music; “Macbeth Preto”, documentário de Rodrigo França. Em 2021, trabalhou nas produções cinematográficas da Produtora A Fábrica em “Barba, Cabelo e Bigode”, 2022 na série “Sem Filtro”. Participou também na produção do documentário, “Enredos da Liberdade”, produzido pela Produtora Couro de Rato.

No viés do carnaval, durante quatorze anos trabalhou como produtor executivo nas escolas de samba: Grande Rio, Império Serrano, Porto da Pedra, Portela, Mangueira e Vila Isabel. Atualmente é Idealizador e Diretor de Produção do evento mensal “Samba no Museu”, uma roda de samba dentro do Muhcab – Museu da História e da Cultura Afro-Brasileira, localizado no Rio de Janeiro.

No rastro da história do espetáculo OCCE
Contra o preconceito de todos os âmbitos e sobretudo religioso, a produtora cultural Emanuele Sanuto, 36 anos, traz o tema para discussão através da cultura, por meio de exposições, espetáculos teatrais, o canto e dança. Na primeira edição em 2017 foi proposto o reconhecimento, valorização e fortalecimento da identidade da população negra através das danças e vestes dos orixás. Já no evento seguinte, abordou as forças da natureza para desmistificar as crenças sobre o candomblé e seus rituais com os elementos ar, terra, fogo, folha e água. Finalmente, pós-pandemia, esta que é a terceira edição; a deste ano, traz um espetáculo provocativo à reflexão e um convite para ressignificação dos sentimentos.

“Lutar contra o preconceito é dever da sociedade civil, sejamos pretos ou brancos. Os trabalhos desenvolvidos pela Sanuto Produções têm cunho social e de militância contra o preconceito. Por isso, faço um convite: no dia do espetáculo venham de branco, seja de qualquer crença ou religião. Junte-se a nós!”, conclama, Sanuto. Coincidência ou não, a data da estreia acabou ficando coladinha com o dia de comemoração de Omulu, divindade ligada à cura, que é 16 de agosto!

Serviço:
Espetáculo OCEE – Orixá, Cultura, Evolução e Essência | Omolu – A Cura
Única apresentação: 14 de agosto às 18h e 30 min
Local: Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro
Endereço: Rua José Higino, 115 – Tijuca, Zona Norte da cidade
Ingresso: https://tinyurl.com/ESPETACULO-OCCE
Duração: 75 minutos
Gênero: Todes
Classificação: 12 anos

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.