Esportes

Atletas olímpicos e paralímpicos celebram Bolsa Atleta para resultados de 2019 e 2020

Diante da pandemia da Covid-19, edital de janeiro de 2021 vai aceitar resultados mais recentes de cada modalidade para efeito da concessão dos benefícios

Por Redação Tupi

Foto: Douglas Magno
A decisão do Governo Federal de aceitar, para efeitos do Bolsa Atleta, os resultados esportivos de 2019 e de 2020 no edital de 2021 recebeu ampla acolhida entre atletas e dirigentes do setor esportivo. Diante de um ano marcado pela pandemia do novo coronavírus, valerá para o ingresso no programa o resultado mais recente, uma vez que a pandemia cancelou campeonatos e impediu os treinos de diversos atletas e modalidades.
Dessa maneira, se uma confederação esportiva realizou campeonato em 2019, mas cancelou a realização em 2020, os atletas que encerraram a competição de 2019 em primeiro, segundo e terceiro lugares poderão aderir ao programa. Em caso de competições realizadas em 2020, valerão esses resultados, pois serão os mais recentes.

“É uma notícia ótima, que nos dá muita tranquilidade para seguir em busca da medalha olímpica”, afirmou Pedro Gonçalves, o Pepê, que já tem vaga carimbada para os Jogos Olímpicos de Tóquio na canoagem slalom. A manifestação de Pepê no canal oficial da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania no Instagram foi seguida de aplausos do campeão mundial da barra na ginástica artística, Arthur Nory, do endosso do velocista paralímpico Vinicius Rodrigues e da celebração de Paulo Ricardo Melo, medalhista de bronze no mundial de 2019 na categoria -54kg do taekwondo.

“Essa notícia foi muito importante para a gente, já que estamos num ano super complicado, difícil para todos. Podermos levar em conta os resultados de 2019, já que em 2020 teve a pandemia e a gente não pôde participar dos campeonatos que estavam no planejamento, é um alívio e nos permite focar na retomada dos treinos para chegarmos tranquilos a Tóquio”, afirmou Danielle Rauen, campeã da chave individual nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, em 2019, e já garantida em Tóquio no tênis de mesa.

“É uma sensibilidade louvável do Governo Federal entender essa situação. Entender que os atletas não estavam em treinamento ou em competição para se manter em ranqueamentos. Era uma grande apreensão dos atletas com quem converso, porque muitos dependem ou usam o bolsa como complementação para se manterem não só em treinamento, mas com suas despesas diárias”, afirmou Douglas Brose, que tem no currículo dois ouros, uma prata e um bronze em campeonatos mundiais de caratê “Muita gente estava apreensiva. Agora, os atletas vão ficar mais tranquilos e vão poder se dedicar cada vez mais ao Jogos olímpicos e competições. Foi algo muito acertado e vai trazer confiança adicional para os atletas “, completou Brose.

O Bolsa Atleta é um dos maiores programas de patrocínio direto ao atleta do mundo e apresenta resultados fundamentais para o esporte brasileiro. Desde a criação, em 2005, já foram concedidas mais de 69,5 mil bolsas, para 27 mil atletas de todo o país. O valor destinado pelo programa desde sua implantação supera a marca de R$ 1,2 bilhão.

Comentários
recomendadas

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
19 de Setembro de 2020 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Patrulha da Cidade
« Programa Anterior
17:00 - Super Futebol Tupi
13:00 - Samba Social Clube
15:00 - Show da Galera
21:00 - Show de Bola
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »