Conecte-se conosco

Noroeste Fluminense

Casal é preso acusado de espancar filha de três meses até a morte no interior do Rio

De acordo com as investigações, a criança era agredida com frequência pelo pai, apresentando diversas lesões pelo corpo, como fraturas na tíbia e fêmur

Publicado

em

(Foto: Reprodução)

Policiais civis da 135ª DP, em Itaocara, prenderam, nesta terça-feira (26), Gabriel da Silva dos Santos, de 24 anos, e Vitória Carvalho Borges, de 21 anos. Eles são acusados de assassinar a própria filha, Helena, de 3 meses, na cidade do Noroeste do Rio.

De acordo com as investigações, a criança era agredida com frequência pelo pai, apresentando diversas lesões pelo corpo, como fraturas na tíbia e fêmur. A mãe sabia das agressões e revelou em depoimento que era “dominada psicologicamente” pelo companheiro.

O casal se relacionava há um ano e, na última semana, levou o bebê ao hospital da região alegando que a criança não estava respirando. Uma enfermeira percebeu que o corpo de Helena tinha varias marcas de agressão e alertou a direção.

Ao serem questionados pelo hospital, o casal falou que a criança tinha uma doença chamada Ossos de Vidro, que causava esses machucados. Após desconfiar dessa declaração, a polícia foi acionada pela equipe médica.

bebê Helena, morta pelos pais
(Foto: Reprodução)

Segundo Carlos Augusto Guimarães da Silva, o delegado que comanda o caso, o bebê foi espancado pelo pai por diversos dias, o que gerou a síndrome da criança espancada (Doença de Caffey). Os médicos foram ouvidos pela polícia e confirmaram as agressões.

O delegado ainda revelou que Gabriel tem outro filho, que mora em São João do Paraíso, distrito de Cambuci. A criança não convive com o pai por medo do comportamento agressivo apresentado.

O caso continua sendo investigado pela 135º DP e os presos foram autuados por homicídio qualificado (artigo 121, parágrafos segundo, I, III, IX, segundo-B, II e quarto do CP conforme nova redação dada pela Lei Henry Borel).  

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. marlene dos santos

    9 de setembro de 2022 em 23:56

    e lamentável, triste mesmo, uma criança inocente passar por tanta dor, acho que deveri ter uma votação para ser aprovada a pena de morte em casos hediondos como este, mas a votação deve ser pela população, porque não tem como se enganar e nem matar um inocente neste tipo de caso.votaçao pela pena de morte já, mas pela população.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.