Conecte-se conosco

Saúde

Carne esponjosa no nariz pode justificar roncos e problemas na respiração, explica especialista

Especialista explica o que causa o aumento das adenoides, qual a relação com as alergias e por que as crianças são as mais afetadas

Publicado

em

Prática de esportes: entenda como a atividade física pode influenciar em seu sono
(Foto: Divulgação)

Quando as pessoas pensam em ronco, logo imaginam a cena de um adulto dormindo, de modo agitado e respirando mal. Porém, problemas respiratórios que afetam a hora do sono não são privilégio dos adultos. Crianças também podem roncar, e um dos motivos para isso é a popular “carne esponjosa”. Ela ocorre quando há um aumento das adenoides ou dos cornetos nasais e atinge, especialmente, as crianças.

O otorrinolaringologista Gustavo Mury explica sobre essa condição: “Na infância, é mais comum ocorrer essa hipertrofia da adenoide, sendo que o ápice se dá por volta dos 2 ou 3 anos de idade, que é quando essa estrutura tem maior tamanho. Depois disso, ela tende a regredir”.

A carne esponjosa ou tonsila faz parte de uma estrutura, que, junto com as amígdalas, compõe um órgão de defesa do corpo, responsável pela formação de anticorpos. Por essa especificidade é que as crianças são as mais atingidas, tendo em vista que é nos primeiros anos que se forma a imunidade, e é nessa fase que o organismo está se relacionando primeiramente com o mundo exterior. “Vale a pena dizer que um dos fatores importantes, que levam as adenoides a crescerem, fora a questão genética, são as infecções de repetição e quadro de rinite mal controlados, que podem estar por trás desse aumento”, detalha o médico.

A criança que tem esse aumento das adenoides pode ter muitos problemas para dormir, respirar pela boca, sofrer mais infecções em função do muco que fica parado, por causa da obstrução. Por tudo isso é importante que os pais investiguem, caso notem que o filho vive com o nariz entupido, ronca ou tem um sono agitado, e mesmo se tem quadros infecciosos de repetição. “Geralmente, o tratamento inicial é clínico, com o intuito de controlar os problemas que podem estar por trás desses problemas. Em alguns casos, é necessário cirurgia, especialmente quando há uma grande obstrução, quando a criança ronca ou respira muito pela boca”, diz o especialista.

Segundo ele, embora a cirurgia tenha excelentes resultados, muitas vezes pode não ser suficiente, tendo em vista que o procedimento não vai agir nas rinites, alergias e atopias das vias aéreas. Por isso uma investigação junto a um profissional especializado é a melhor opção para quem sofre desse problema.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.