Conecte-se conosco

Sentinelas 15:55h

Mais de duzentas mil pessoas não têm registro de nascimento no Rio

Confira o que foi destaque no Sentinelas da Tupi Especial desta segunda-feira

Publicado

em

Mais de duzentas mil pessoas não têm registro de nascimento no Rio Sentinelas da Tupi Especial
Mais de duzentas mil pessoas não têm registro de nascimento no Rio

Dados do Registro Civil do Censo de 2022 do IBGE  apontam que dois milhões e setecentos mil brasileiros não têm certidão de nascimento no país. Este número corresponde a 2,59% da população. Só no estado do Rio de Janeiro são duzentos mil.

Quais as consequências da falta de documentação para o indivíduo?

Um estudo da Defensoria Pública do estado do Rio mostra que, só em 2022, quatrocentas e 35 pessoas, entre crianças, jovens e idosos, foram registradas tardiamente nos núcleos da instituição, o que  equivale a mais de uma ocorrência deste tipo por dia.

A Defensora Pública de classe especial e membro do comitê Estadual e municipal para a erradicação do sub-registro, Fátima Saraiva, ressalta que este número pode ser ainda maior.

A defensora Fátima Saraiva destaca que a falta de documentação é preocupante e explica por que.

Há cerca de quinze dias uma mulher deu a luz ao pequeno Miguel, em um ônibus na Zona Oeste do Rio, e comoveu toda a população. Dois dias após o nascimento, o bebê foi retirado da família por ordem da Justiça. Um dos agravantes foi a falta de documentação da família da criança, como explica o repórter Mateus Mesquita.

Segundo informações do Registro Civil, o bebê Miguel ganhou na última terça-feira (24) , a certidão de nascimento dele. Ele foi registrado apenas no nome da mãe, Camila Santos de Souza, já que o pai, Wagner Sarmento Júnior, não apresentou documentos.

Continue lendo