Conecte-se conosco

Região Metropolitana

Aposentado baleado na cabeça em São Gonçalo morre após três dias internado

José Corrêa, de 63 anos, saía de uma farmácia quando foi atingido durante uma ação policial

Publicado

em

Idoso passou por uma cirurgia, mas o estado de saúde era grave
Idoso passou por uma cirurgia, mas o estado de saúde era grave - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Aposentado passou por cirurgia, mas estado de saúde era grave

Aposentado passou por cirurgia, mas estado de saúde era grave – Foto: Reprodução/Redes Sociais

Após ficar três dias internado, o aposentado José Carlos da Silva Corrêa, de 63 anos, baleado na cabeça ao sair de uma farmácia, durante uma ação da Polícia Civil, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, não resistiu e morreu. De acordo com a direção do Hospital Estadual Alberto Torres, José Corrêa ainda passou por uma cirurgia, mas o estado dele era muito grave. O aposentado faleceu nesta sexta-feira (01).

Na última terça-feira (28), policiais civis da 72ª DP (São Gonçalo), da 73ª DP (Neves), e da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) realizavam uma ação na BR-101 para coibir roubos de carga na região. Ao abordarem um veículo, o motorista não parou, dando início a uma perseguição policial.

Ao chegarem na altura da comunidade do Salgueiro aconteceu uma troca de tiros. Foi neste momento que o aposentado foi baleado. O comerciante Renato Lage, de 53 anos, também foi atingido. Ele vendia aparelhos de controle remoto em uma banca quando levou um tiro de raspão no pescoço. O comerciante foi atendido e já recebeu alta.

Segundo a polícia, os criminosos só pararam com o carro quando os agentes atiraram nos pneus. Um deles, Thiago de Oliveira, foi atingido na perna. Ele e outro homem foram presos.

Momentos após o ocorrido, sem citar o tiroteio em São Gonçalo, através das redes sociais, a Polícia Civil do Rio publicou a mensagem: “O Ministério da Saúde adverte: nunca atire na Polícia Civil”.

Polícia Civil faz publicação momentos após perseguição

Polícia Civil faz publicação momentos após perseguição – Reprodução/Redes Sociais PCERJ

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.