Conecte-se conosco

Rio

Câmara do Rio aprova projeto que proíbe homenagem a escravocratas, eugenistas e violadores dos direitos humanos

Homenagens já instaladas em espaços públicos do município deverão ser transferidas para museus, acompanhadas de informações contextualizadoras

Publicado

em

Câmara do Rio aprova projeto que proíbe homenagem a escravocratas, eugenistas e violadores dos direitos humanos
Câmara do Rio aprova projeto que proíbe homenagem a escravocratas, eugenistas e violadores dos direitos humanos (Reprodução)

A Câmara Municipal do Rio aprovou, nesta quarta-feira (25), o projeto de lei que proíbe manter ou instalar monumentos, estátuas, placas ou quaisquer homenagens que façam menções positivas e elogios a escravocatas, eugenistas e pessoas que tenham violado diretos humanos, aos valores democráticos, ao respeito à liberdade religiosa e que tenham praticado atos racistas.

Segundo a proposta, as homenagens já instaladas em espaços públicos do município deverão ser transferidas para museus, acompanhadas de informações que contextualizem e informem sobre a obra e seu personagem.

“Ao dar visibilidade para determinada pessoa, o poder público avaliza os seus feitos e enaltece o seu legado. A história brasileira traz inúmeros momentos condenáveis, dentre os quais podem-se destacar o genocídio dos povos nativos e a escravidão de africanos sequestrados”, argumenta na justificativa do texto o autor do projeto, ex-vereador Chico Alencar. 

Parlamentares contrários à proposta argumentaram que é necessária uma prova historiográfica para evitar que o projeto sirva como justificativa para que monumentos sejam danificados.

“Temos muitas propostas com títulos bonitos, com premissa verdadeiras mas, que, em sua essência, relativizam conceitos. Vamos acabar com a Rua Mendes Sá e a Rua Tiradentes, que também tinham escravos? Vamos retirar da Avenida Presidente Vargas a estátua de Zumbi dos Palmares? Meu voto contrário é para não perpetuarmos discursos falaciosos, embutido em projetos ‘Cavalo de Tróia’”, criticou Dr. João Ricardo (PSC)

A matéria segue para sanção ou veto do prefeito Eduardo Paes.

Continue lendo