Conecte-se conosco

Capital Fluminense

Justiça nega recurso e mantém preso homem condenado por atropelar três pessoas na Barra da Tijuca

No primeiro julgamento, Renan foi condenado a 45 anos prisão em regime fechado

Publicado

em

Renan Fernandes Nascimento, preso por atropelar três pessoas na Barra da Tijuca
(Foto: Reprodução)

A 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro negou, por unanimidade o recurso apresentado pela defesa de Renan Fernandes Nascimento, que foi condenado em 2018 pelo atropelamento de três pessoas que saíam de uma balada. Além disso, ele também ameaçou uma quarta pessoa que estava com as vítimas e não foi atingida pelo veículo.

A pena de Renan, que havia sido definida em 45 anos de reclusão em regime fechado, foi diminuída para 37 anos e seis meses. Ele foi condenado por três homicídios qualificados na forma tentada e um consumado.

De acordo com a denúncia, “No dia 20 de abril de 2018, por volta de 6h da manhã, na Avenida Armando Lombardi, na Barra da Tijuca, o acusado tentou atropelar consciente e voluntariamente, com intenção de matar, por motivo fútil e de surpresa, as vítimas: Rafael do Nascimento, Rodrigo Espírito Santos Rodrigues e Breno Mares da Silva e Fabrício Lopes de Lima”.

Ele atingiu três dos quatro rapazes que saíam da festa de comemoração do aniversário de Rafael do Nascimento, que morreu no local.

Na primeira decisão que condenou Renan em 45 anos de prisão, a juíza havia destacado no julgamento ainda algumas mensagens por aplicativo em que o réu não se arrependia pelo crime.

“O réu agiu com violência e covardia, o que foi evidenciado ao fugir do local, omissão de socorro e falta de preocupação de buscar apoio às vítimas. Pelo contrário,  além da ausência de arrependimento, registrada na mensagem do aplicativo WhatsApp ao contar que ‘atropelou geral’ e depois ficou preocupado em  “salvar” seu relacionamento amoroso, uma vez que sua empreitada criminosa revelaria o seu caráter e sua noite de diversão noticiada para a namorada”, escreveu Tula Corrêa de Mello, do 1º Tribunal do Júri do Rio.  

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.