Política

Disparos de mensagens pró-Bolsonaro foram pagos por empresas durante campanha eleitoral

Através do software de uma agência de marketing espanhola, eram enviados conteúdos em massa pelo WhatsApp. O uso dessas ferramentas de automatização é proibido

Por Redação Tupi

Através do software de uma agência de marketing espanhola, eram enviados conteúdos em massa pelo WhatsApp. O uso dessas ferramentas de automatização é proibido
(Foto: Alan Santos/ Presidência da República)

Nesta terça-feira, o jornal Folha de São Paulo revelou, em reportagem, que empresas brasileiras contratam uma agência de marketing espanhola para realizar disparos de mensagens em massa, a favor do então candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), durante a campanha eleitoral de 2018.

Em áudios obtidos pela Folha, o dono da agência de marketing espanhola Enviawhatsapps, Luis Novoa, afirma que “empresas, açougues, lavadoras de carros e fábricas” brasileiras utilizaram seu software para disparar as mensagens. Porém, Novoa frisa que não tinha conhecimento de que a ferramenta estava sendo usada para campanhas políticas no Brasil.

De acordo com o proprietário, ele só tomou conhecimento completo do caso quando a agência teve as linhas telefônicas cortadas pelo WhatsApp, sob a alegação de mau uso. A empresa de Luis Novoa é especializada no envio automático de mensagens para milhares de números de telefone.

“Eles contratavam o software pelo nosso site, fazíamos a instalação e pronto. Como eram empresas, achamos normal, temos muitas empresas (que fazem marketing comercial por WhatsApp)”, conta o espanhol na gravação.

Novoa ainda continua: “Mas aí começaram a cortar nossas linhas, fomos olhar e nos demos conta de que todas essas contratações, 80%, 90%, estavam fazendo campanha política”. A gravação segue com uma outra voz que interrompe o relato: “Era campanha para algum partido?”. Sendo respondido pelo empresário: “Eram campanhas para Bolsonaro”.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (STF), apenas as campanhas oficiais podem fazer contratação de impulsionamento de conteúdo eleitoral nas redes sociais. E segundo a reportagem da Folha, não há indícios de que Bolsonaro ou sua equipe soubessem que estavam sendo contratados disparos de mensagens a favor do então candidato.

No Brasil, é proibida as doações de empresas para campanha eleitoral. Além disso, não é permitido o uso de ferramentas de automatização, como os softwares de disparo de mensagens em massa.

Comentários

enquete

Fluminense tem chances de avançar na Libertadores da América?

Carregando ... Carregando ...

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
12 de Maio de 2021 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Show do Apolinho
« Programa Anterior
19:00 - Radar Tupi
20:00 - Programa Cristiano Santos
21:00 - Tupi na Rede
22:00 - Giro Esportivo
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »