Rio

Mulher é demitida de rede atacadista após denunciar racismo e intolerância religiosa

Ministério Público do Trabalho pediu indenização de R$50 milhões do mercado Atacadão, que lucra R$1,8 bilhão por ano

Por Diana Rogers

Uma auxiliar de cozinha do Hipermercado Atacadão, unidade de Santa Cruz, foi demitida da empresa após denunciar ter sido vítima de racismo e intolerância religiosa no local.

Nataly Ventura da Silva, de 31 anos, seguidora do candomblé, disse que desde o dia 28 de março, quando começou a trabalhar na empresa, era vítima de ofensas racistas e intolerância religiosa vindas de um funcionário identificado como Jeferson Emanuel. A primeira denúncia foi feita no dia 30 de maio, através do Disque Direitos Humanos (Disque 100).

Ela também fez reclamação com a chefe do setor, identificada como Isabele. No entanto, nenhuma medida foi tomada contra o funcionário. Dias após a denúncia, Nataly foi demitida sob o argumento de que estaria causando desarmonia no ambiente de trabalho.

Ao retornar a cozinha, para buscar seus pertences pessoais, Nataly encontrou um avental com uma mensagem racista assinada por Jefferson.

“Ao retornar a cozinha para pegar minha bolsinha de remédios, celular, carregador, me deparei com um avental com as escritas: ‘Só para brancos usar, assinado Jefferson’. Eu saí de lá com meus pertences e liguei novamente para o Disque 100. Eles me orientaram a procurar uma delegacia e foi o que eu fiz. Eu aconselho a todas as pessoas que estão passando pela mesma coisa que eu passei, que denunciem. Nós não temos que nos calar”, relatou Nataly.

Somente após a denúncia dos fatos ao Ministério Público do Trabalho (MPT), a empresa dispensou Jefferson. Segundo o MPT, antes da denúncia, a chefia da empresa ordenou apenas que o funcionário apagasse a mensagem.

A procuradora Fernanda Diniz marcou uma audiência virtual com a empresa, pedindo a readmissão da funcionária, mas o Hipermercado, que pertence ao grupo Carrefour e lucra R$ 1,8 bilhão por ano, não chegou a um acordo.

“Por conta da negativa, o MPT instaurou uma ação civil pública. Pedimos uma indenização de R$50 milhões por dano moral coletivo. O dinheiro deverá ser destinado a instituições de fins lucrativos que prestem serviços à população negra”.

 

Sindicato dos Comerciários se manifestou:

Em nota, o Sindicato dos Comerciários disse que está prestando assistência jurídica a Nataly. Segundo Márcio Ayer, presidente do Sindicato, que possui em sua estrutura o Departamento Jurídico para o atendimento de questões jurídicas dos empregados no comércio, “é crime uma cena de racismo e intolerância religiosa, como essa. O Sindicato dos Comerciários está cumprindo seu papel de também prestar assistência jurídica necessária para a Nataly. A legislação proíbe qualquer tipo de discriminação no ambiente de trabalho e quem passar por situações assim não deve hesitar em procurar apoio”.

 

Comentários
recomendadas

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
22 de Setembro de 2020 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Show do Clóvis Monteiro
« Programa Anterior
10:00 - Programa Isabele Benito
11:00 - Programa Francisco Barbosa
12:00 - Patrulha da Cidade
14:00 - Show do Pedro Augusto
15:30 - Show do Heleno Rotay
17:00 - Show do Apolinho
19:00 - Radar Tupi
20:00 - Programa Cristiano Santos
21:00 - Tupi na Rede
22:00 - Giro Esportivo
12:00 - Patrulha da Cidade
13:00 - Cidinha Livre
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »