Rio

Mulher é demitida de rede atacadista após denunciar racismo e intolerância religiosa

Ministério Público do Trabalho pediu indenização de R$50 milhões do mercado Atacadão, que lucra R$1,8 bilhão por ano

Por Diana Rogers

Uma auxiliar de cozinha do Hipermercado Atacadão, unidade de Santa Cruz, foi demitida da empresa após denunciar ter sido vítima de racismo e intolerância religiosa no local.

Nataly Ventura da Silva, de 31 anos, seguidora do candomblé, disse que desde o dia 28 de março, quando começou a trabalhar na empresa, era vítima de ofensas racistas e intolerância religiosa vindas de um funcionário identificado como Jeferson Emanuel. A primeira denúncia foi feita no dia 30 de maio, através do Disque Direitos Humanos (Disque 100).

Ela também fez reclamação com a chefe do setor, identificada como Isabele. No entanto, nenhuma medida foi tomada contra o funcionário. Dias após a denúncia, Nataly foi demitida sob o argumento de que estaria causando desarmonia no ambiente de trabalho.

Ao retornar a cozinha, para buscar seus pertences pessoais, Nataly encontrou um avental com uma mensagem racista assinada por Jefferson.

“Ao retornar a cozinha para pegar minha bolsinha de remédios, celular, carregador, me deparei com um avental com as escritas: ‘Só para brancos usar, assinado Jefferson’. Eu saí de lá com meus pertences e liguei novamente para o Disque 100. Eles me orientaram a procurar uma delegacia e foi o que eu fiz. Eu aconselho a todas as pessoas que estão passando pela mesma coisa que eu passei, que denunciem. Nós não temos que nos calar”, relatou Nataly.

Somente após a denúncia dos fatos ao Ministério Público do Trabalho (MPT), a empresa dispensou Jefferson. Segundo o MPT, antes da denúncia, a chefia da empresa ordenou apenas que o funcionário apagasse a mensagem.

A procuradora Fernanda Diniz marcou uma audiência virtual com a empresa, pedindo a readmissão da funcionária, mas o Hipermercado, que pertence ao grupo Carrefour e lucra R$ 1,8 bilhão por ano, não chegou a um acordo.

“Por conta da negativa, o MPT instaurou uma ação civil pública. Pedimos uma indenização de R$50 milhões por dano moral coletivo. O dinheiro deverá ser destinado a instituições de fins lucrativos que prestem serviços à população negra”.

 

Sindicato dos Comerciários se manifestou:

Em nota, o Sindicato dos Comerciários disse que está prestando assistência jurídica a Nataly. Segundo Márcio Ayer, presidente do Sindicato, que possui em sua estrutura o Departamento Jurídico para o atendimento de questões jurídicas dos empregados no comércio, “é crime uma cena de racismo e intolerância religiosa, como essa. O Sindicato dos Comerciários está cumprindo seu papel de também prestar assistência jurídica necessária para a Nataly. A legislação proíbe qualquer tipo de discriminação no ambiente de trabalho e quem passar por situações assim não deve hesitar em procurar apoio”.

 

Comentários

enquete

Fluminense tem chances de avançar na Libertadores?

Carregando ... Carregando ...

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
07 de Maio de 2021 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Programa Francisco Barbosa
« Programa Anterior
12:00 - Patrulha da Cidade
15:00 - Show do Heleno Rotay
17:00 - Show do Apolinho
19:00 - Radar Tupi
20:00 - Programa Cristiano Santos
21:00 - Tupi na Rede
22:00 - Giro Esportivo
13:00 - Cidinha Livre
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »