Conecte-se conosco

Capital Fluminense

Transportes: Eduardo Paes pede desculpas e promete congelamento de tarifa em R$ 4,05

Mudanças no sistema deve ocorrer em até seis meses. Acordo foi acertado em audiência na 8ª Vara Fazenda Pública do Rio

Publicado

em

Ônibus da linha 928
(Foto: Bruno Pires/Ônibus Brasil)

O transporte público da cidade do Rio de Janeiro deve sofrer mudanças em um prazo de seis meses. As medidas foram acertadas, nesta quinta-feira (19), durante audiência na 8ª Vara de Fazenda Pública.

Entre as principais mudanças está a retomada do serviço do BRT pelo município, o renuncio dos consórcios de participação das licitações do serviço de bilhetagem eletrônica, mudanças no critério de remuneração do serviço e a antecipação do encerramento do contrato de concessão.

Pelas redes sociais, o prefeito, Eduardo Paes afirmou que o maior desafio do governo dele é, de fato, o transporte público.

De acordo com o chefe do executivo municipal, uma série de fatores levou o sistema da cidade a colapsar, entre elas o congelamento da tarifa sem qualquer forma de compensação, os aumentos do diesel, uma gestão amadora e irresponsável dos concessionários e escândalos envolvendo o próprio sistema de transportes do Rio.

Eduardo Paes cancela carnaval de rua no rio

(Agência Brasil )

Paes comemorou o acordo firmado, com mediação do Ministério Público, e também pediu desculpas por não ter resolvido a questão com maior celeridade. Ele listou os pontos a serem seguidos após o acordo. São eles:

– As empresas de ônibus deixam explorar o BRT e a bilhetagem do sistema. Nesse último caso, uma licitação já aberta. A do BRT será aberta em breve;

– O contrato de concessão atual tem seu prazo reduzido em 2 anos;

– A passagem continua a R$4,05 e a prefeitura passa a pagar a diferença do valor real da tarifa, impedindo que a população pague mais.

Na prática, a tarifa paga pelo cidadão continua a mesma, o que muda é a remuneração adicional por quilômetro rodado que será pago pela prefeitura.

Caso não haja cumprimento da empresa responsável pelas linhas, o município não vai pagar nenhum valor a mais da tarifa e terá a concessão cancelada.

A partir de agora, apenas a prefeitura pode rever o acordo em caso de descumprimento por parte das operadoras.

Confira abaixo o posicionamento de Eduardo Paes:

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.