Brasil

Marca da Nestlé encerra parceria com fazenda que utiliza mão de obra escrava

A Nespresso suspendeu compras com a Cedro II

Foto Reprodução

 

Por Redação Tupi

A Nespresso, marca da Nestlé especializa em capsulas de café e cafeteiras, teve o nome associado à fazenda Cedro II, acusada de utilizar mão de obra escrava nesta quarta-feira. Em resposta ao caso, hoje, a empresa decidiu suspender as relações comerciais que mantinha com o local. A fazenda, localizada no Triângulo Mineiro, está na lista divulgada pelo Governo Federal de empresas e marcas acusadas de abusar da mão de obras de trabalhadores.

Em declaração oficial, a Nestlé disse que todas as fazendas que fornecem café para a empresa são rigorosamente avaliadas, e que não aceitariam uma situação daquelas.

De acordo com a lista, a gigante norte-americana Starbucks também comprava café do mesmo local. Em nota oficial, a empresa disse que vai investigar o caso, e se as acusações se confirmem, irá também suspender os negócios com a fazenda.

A ONG Repórter Brasil disse que Helvécio Sebastião Batista, proprietário e administrador da Cedro II, declarou que a acusação do Ministério do Trabalho é incoerente e que já está tomando as providências necessárias.

“Entrei com mandado de segurança e não paguei um centavo de multa… É tudo inverdade. Esses caras do ministério fazem terrorismo para cima da gente que está fazendo riqueza para esse país” – disse Batista.

19 trabalhadores foram encontrados na fazenda em condições precárias de trabalho. Trabalhavam sem cozinha ou banheiro adequados e, muitas vezes, faziam jornadas longas de trabalho, sem folga semanal.

enquete

Amor eterno existe ou homem se casa por acomodação?

Carregando ... Carregando ...

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
22 de Outubro de 2019 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Tupi na Rede
« Programa Anterior
22:00 - Giro Esportivo
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »