Rio

Morre menina de 6 anos torturada pela mãe e madrasta em Porto Real

Criança foi alvo de socos, pontapés e golpes de fio de televisão, e chegou a ser jogada de um barranco de 7 metros de altura

Por Redação Tupi

(Reprodução: Google Street View)

Morreu na madrugada deste sábado (24), a menina Ketelen Vitória Oliveira da Rocha, de 6 anos, que foi agredida e torturada pela mãe e pela madrasta em Porto Real, no Sul Fluminense do Rio. Segundo o boletim médico do hospital onde a criança estava internada, ela teve uma parada cardiorrespiratória, por volta das 3h30 e não resistiu. Ainda de acordo com o boletim, Ketelen chegou na unidade de saúde, transferida do Hospital Municipal São Francisco de Assis com quadro de politraumatisma e coma arreflexo, apresentando múltiplas lesões corporais e crônicas, na última segunda-feira (19).

Nas últimas 24h, o estado de saúde de Ketelen se agravou, apresentando “deteorização das funções vitais”.

No ínicio da semana, a criança foi encaminhada para o Hospital Municipal São Francisco de Assis depois de ser espancada pela madrasta, Brena Luane Barbosa Nunes e a mãe da menina, Gilmara Oliveira de Farias. De acordo com informações, as agressões começaram na sexta-feira (16) e duraram até segunda-feira. Elas moravam em Jardim das Acácias, em Porto Real.

A Justiça do Rio decretou a prisão preventiva das duas agressoras na última quarta-feira (21). Na decisão proferida após a audiência de custódia, a justiça frisou a gravidade das lesões sofridas pela vítima, que é filha e enteada das acusadas.

Após optarem pela prisão, a justiça também enumerou detalhes da violência contra a menina em casa. Segundo a mãe da madrasta de Ketelen, que também mora na residência, a violência contra a criança começou na noite de sexta-feira (16), e continuaram por quase 48h. Foram “socos e chutes por diversas vezes”, além de a vítima ter sido “arremessada contra a parede e contra um barranco de 7 metros de altura, e de ser chicoteada com um cabo de TV”, além de ser submetida a um “intenso sofrimento físico e psicológico”, de acordo com a justiça.

A justiça disse ainda que as duas presas confessaram o crime à 100ª Delegacia de Polícia de Porto Real, que cuida das investigações. Além disso, o que pesou também contra as acusadas foi o fato de que o socorro só foi acionado na manhã de segunda-feira (19), quando Ketelen já não tinha nenhuma reação.

Por fim, foi ressaltado o histórico de agressão por parte da madrasta, que possui, entre outros crimes, uma passagem na polícia por agredir fisicamente a própria mãe, uma das testemunhas, agora, no caso que envolve a menina. A justiça ressaltou que a prisão das flagranteadas merece ser mantida para a conveniência da instrução criminal, diante do fato de que as testemunhas/vítimas, por certo, se sentiam amedrontadas em prestar depoimento estando estas em liberdade.

Na audiência de custódia, a madrasta de Ketelen disse à Justiça que sofreu “violência no ato da prisão”, respondendo um questionamento de praxe para este tipo de ocorrência. A justiça determinou também que cópias dos autos fossem remetidas à Corregedoria Geral da Policia Militar e a Auditoria Militar para que fossem apuradas eventuais agressões praticadas”.

 

 

 

 

 

Comentários

enquete

Fluminense tem chances de avançar na Libertadores?

Carregando ... Carregando ...

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
06 de Maio de 2021 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Show do Apolinho
« Programa Anterior
20:00 - Super Futebol Tupi
22:00 - Giro Esportivo
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »