Conecte-se conosco

Política

Ex-governador Garotinho comemora decisão do STF que anulou provas da “Operação Chequinho”

Lewandowski apontou "a ausência do exame pericial em material extraído de equipamento eletrônico, o qual ancorou substancialmente a prolação do édito condenatório"

Publicado

em

Imagem do ex-governador garotinho
(Foto: Super Rádio Tupi)
Imagem do ex-governador garotinho

(Foto: Super Rádio Tupi)

O ex-governador  do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho comemorou a decisão do Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowisk, de anular as provas da “Operação Chequinho” “Esse processo todo foi uma perseguição política. Ninguém pode ser condenado por uma folha de papel sem timbre, supostamente elaborada numa secretaria. É um absurdo. Estamos há seis anos esperando justiça. Minha família sofreu muito. E muita gente acreditou nessas invenções”, disse o ex-governador.

Lewandowski anulou uma condenação imposta pela Justiça Eleitoral a Thiago Cerqueira Ferrugem Nascimento Alves, ex-vereador de Campos dos Goytacazes (RJ) que foi alvo da “Operação Chequinho”. Assim como o ex-vereador, o ex-governador também foi condenado pela Justiça Eleitoral. Os dois foram alvos da operação que investigou supostas irregularidades no programa “Cheque-Cidadão”. Pelas redes sociais, o ex-governador ainda comentou: “O que todo mundo já sabia, enfim, pôs-se agora a verdade. Uma operação política que tanto prejudicou minha família.”

Ricardo Lewandowski apontou “a ausência do exame pericial em material extraído de equipamento eletrônico, o qual ancorou substancialmente a prolação do édito condenatório”, contrariando trechos do Código de Processo Penal.

Como se nota, à míngua da realização de perícia no computador da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano e Social de Campos dos Goytacazes/RJ, de onde foram extraídos os dados impugnados, constata-se facilmente que não é possível assegurar, com segurança e de forma indene de dúvida, a autenticidade dos elementos informativos coligidos por meio de um pen drive”. Diz um dos trechos da decisão do ministro do supremo.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.