Política

Vereador do PSOL critica aproximação de Freixo com PT e PC do B: ‘População não vai esquecer disso na hora de votar’

Recentemente, Renato Cinco se lançou como pré-candidato a prefeito do Rio pelo PSOL

Por Redação Tupi

Recentemente, Renato Cinco se lançou como pré-candidato a prefeito do Rio pelo PSOL
(Foto: Reprodução)

Em entrevista à revista Veja, o vereador Renato Cinco (PSOL – RJ) fez severas críticas em relação à pré-candidatura do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL – RJ) à prefeitura do Rio de Janeiro. De acordo com ele, Freixo comete um erro ao articular a criação de uma frente ampla de esquerda, com participações de PT, PDT, PSB e PC do B, além da Rede e do PV, pois estes partidos “nunca implementaram um programa de esquerda quando foram governo”.

“São partidos que estiveram comprometidos com as piores gestões da história do Rio de Janeiro, no estado e no município. A população não vai esquecer disso na hora de votar. Precisamos de autonomia e de um projeto de esquerda socialista para cidade do Rio, porque hoje há razão nos que dizem que o PSOL se comporta como linha auxiliar do PT”, avaliou Renato.

Indagado sobre a importância de se costurar alianças amplas para conseguir governar, Renato Cinco afirmou: “É preciso coerência. Do ponto de vista das lutas práticas, temos que realmente nos unir em defesa da Amazônia e contra a Reforma da Previdência, por exemplo. No caso da maconha, no qual milito há anos, há gente de esquerda e de direita. Mas na disputa eleitoral não pode ser assim, a formulação tem que ser mais profunda. O discurso é de ‘união contra o fascismo’, mas, na prática, a Previdência foi votada sem manifestações nas ruas”.

Para o vereador, o PSOL deve apenas fazer aliança com o PCB e o PSTU. “Um novo ciclo de centro-esquerda, baseado nessas alianças que já foram feitas, pode levar a mais uma decepção da população e ao surgimento de uma direita ainda mais forte que a atual”, ponderou.

Durante a entrevista, Renato Cinco ainda aproveitou para se lançar como pré-candidato à Prefeitura carioca: “A maior parte das correntes do partido está com o Marcelo Freixo, mas é necessário que a gente discuta um programa, faça um diagnóstico da cidade e aí passamos para discussão das alianças. O debate sobre 2020 não pode partir da pergunta ‘quem são os nossos aliados?’”. “Não vejo problema do Freixo dar entrevistas como candidato. Mas tem de haver um debate”, concluiu.

recomendadas
Comentários

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
13 de Novembro de 2019 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Giro Esportivo
« Programa Anterior
Nenhum programa encontrado
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »