Capital Fluminense

MP faz operação contra quadrilha responsável por construções irregulares na Zona Oeste

Um dos acusados de pertencer ao grupo é Carlos Alexandre dos Santos, servidor da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (SEAP)

Por Isaac Santos

Ministério Público RJ
Ministério Público do Rio de Janeiro – Foto: Lucas Araújo/Super Rádio Tupi

O Ministério Público do Rio realiza  uma operação intitulada de “Colônia”. O objetivo é cumprir mandados de prisão contra dois de seis integrantes de uma organização criminosa denunciada pela invasão e construção ilegal de um condomínio em área da Mata Atlântica, em Campo Grande, na Zona Oeste da Capital Fluminense. Ricardo Martins Celestino e Carlos Alexandre dos Santos tiveram as prisões preventivas decretadas pela Primeira Vara Criminal Especializada da Capital.

A operação conta com o apoio do Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar. Além dos mandados de prisão, também serão cumpridos 13 mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos seis denunciados no esquema ilegal. De acordo com as investigações, além de Ricardo e Carlos Alexandre, Silvânia Alves da Silva, Amanda da Cunha Conceição de Souza, Daniel Estulano Dias e Leonardo Barbosa Oliveira de Souza fazem parte quadrilha, responsável por vender casas construídas ilegalmente na localidade do Mendanha, no condomínio conhecido como “Village do Mendanha”.

Segundo a denúncia, a partir de 2017 o grupo liderado por Ricardo dividiu uma área de Mata Atlântica localizada na Estrada do Mendanha, n° 6.526, em lotes, que eram vendidos a terceiros por intermédio de instrumentos contratuais diversos, notadamente promessas particulares de compra e venda, sem registro prévio no Registro Geral de Imóveis. A investigação apurou que para a construção do condomínio, o grupo criminoso promoveu a destruição, sem qualquer tipo de licença, de aproximadamente 25.000m² de vegetação secundária, em estágio médio de regeneração, do bioma Mata Atlântica.

As investigações demonstraram que Ricardo é o principal idealizador do loteamento ilícito, vendendo e organizando os lotes, além de ser sócio administrador da pessoa jurídica que coordena o loteamento, a Trator Forte Locação de Máquinas Pesadas, na qual ele é sócio de Silvânia. Outra empresa aparentemente administrada pelo casal, a AR2 Construções e Reformas em Geral, também foi utilizada pelo grupo para concluir o objetivo de entregar o condomínio pronto aos interessados. As empresas foram denunciadas à Justiça.

De acordo com a denúncia, Carlos Alexandre, servidor da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, é um dos administradores do projeto e se posiciona como sócio de Ricardo no empreendimento. Sua participação foi imprescindível, em razão do cargo que ocupa, para que os atos da organização fossem praticados sem quaisquer intervenções das facções e outros grupos criminosos que atuam na região.



recomendadas
Comentários

AO VIVO
OUÇA AO VIVO
VOLTAR AO SITE
21 de Janeiro de 2022 - 96.5 FM
OUÇA AQUI
Programa Isabele Benito
« Programa Anterior
11:00 - Programa Francisco Barbosa
12:00 - Patrulha da Cidade
15:00 - Show do Heleno Rotay
17:00 - Show do Apolinho
19:00 - Radar Tupi
20:00 - Programa Cristiano Santos
21:00 - Tupi na Rede
22:00 - Giro Esportivo
13:00 - Cidinha Livre
Próximo Programa »
  • Transmissão em Vídeo
Acompanhe também »